Casters: CS na TV ajudará na aceitação de jogo como esporte

Estigmatizado como jogo violento no passado, o Counter-Strike tem sido visto com outros (e bons) olhos, principalmente pela televisão brasileira, que passou a transmitir campeonatos da modalidade. Para profissionais da área, a oportunidade de estar na TV é importante para que a sociedade entenda que o game é um esporte de verdade.

O narrador Willian “gORDOx” Lemos é veterano no cenário e foi um dos integrantes do time de casters que comandou a transmissão da decisão da ESL One Cologne, no último domingo (10), no SporTV. Ele acredita que a exposição na TV fará com que o jogo possa ser visto como profissão.

“Muitos pais vão entender que não é somente um simples videogame. A sociedade começa a aceitar a profissão e cada vez mais fica profissional. E com tanta mídia em cima, patrocinadores vão chegar”, disse ao MyCNB.

Diferentemente de gORDOx, Bernardo “Bida” Moura é mais novo no cenário nacional, mas é um dos principais casters do País. Ele tem a mesma opinião do colega de trabalho sobre a exposição na TV. “Eu acho que a curto prazo a exposição na mídia mainstream faz com que o jogo seja melhor aceito pelas famílias dos jogadores”.

Em 2008, o Counter-Strike 1.6 teve a comercialização proibida em território nacional sob alegação de ser violento. No jogo de tiro em primeira pessoa, dois times, contra-terrorista e terrorista, se enfrentam em busca dos objetivos.

“O participante pode escolher o lado do crime: virar bandido para defender a favela sob seu domínio. Quanto mais PMs matar, mais pontos. A trilha sonora é um funk proibido”, dizia o comunicado do Procon à época.

Oito anos se passaram e este paradigma acabou quebrado. Prova disso são emissoras como SporTV e Esporte Interativo estarem transmitindo torneios da modalidade em horários nobres. A Grande Final da ESL One Cologne, vencida pelo SK Gaming, do Brasil, começou ao meio-dia.

“Acho difícil ter a noção exata da dimensão de tudo isso, mas não era nem um pouco difícil prever que o futuro dos games era esse. É natural, quem comandará o futuro são os jovens gamers de hoje. Mas o que podemos ver e sentir de fato é o respeito que a mídia adquiriu sobre esse tema, um passo gigantesco para tornar nosso ‘joguinho’ um verdadeiro esporte”, opinou Luis Felipe “Savage” Hessel, narrador que também é da velha guarda.

Bida (esq.) Savage (centro) e gORDOx narraram torneio de CS no SporTV (Foto: Reprodução)

Bida (esq.) Savage (centro) e gORDOx narraram torneio de CS no SporTV (Foto: Reprodução)

O Counter-Strike é um jogo de ações rápidas e muitos nomes técnicos. A transmissão na TV alcançou um novo público, mas os narradores disseram que não mudaram muita coisa da tradicional narração da internet para a televisão.

“Na internet, sei que o público que acompanha normalmente já entende algo do jogo, já pelo menos abriu o CS:GO, enquanto na TV vai ter gente completamente leiga. Aí eu tento explicar um pouco mais do básico, além de alterar algumas nomenclaturas. Por exemplo, estamos acostumados a terminologias como clutch, ace, TR, c4, plantou, bang e smoke. Tento sempre deixar claro o que significa. Tenho chamado smoke de granada de fumaça e flash de granada de luz, por exemplo”, contou Bida.

O trio narrou a final da ESL One Cologne no SporTV e relatou que a equipe da emissora gostou do trabalho e do engajamento do público durante a transmissão.

“Também havia uma preocupação grande deles em se adaptarem ao nosso conteúdo e não o contrário, como naturalmente esperaríamos. É claro que temos muito para aprender com eles, mas foi lindo ver que eles também querem aprender conosco, tanto ali na linha de frente com a equipe de apresentadores, como também no backstage com as equipes de produção”, disse Savage.

O SporTV já anunciou que irá transmitir a Final Mundial da 4ª temporada da ESL Pro League, que será disputada no Brasil, de 28 a 30 de outubro. O Esporte Interativo tem transmitido a ELEAGUE desde o início.

Fonte: Acesse o site do My CNB

Comments

comments